quinta-feira, 20 de março de 2008

Conformado, São Paulo é castigado e leva empate no fim

Quatro dias após ser goleado pelo rival Palmeiras, o São Paulo apresentou um futebol seguro mas pecou quando podia ter matado a partida e saiu de Luque, Paraguai, com um empate por 1 a 1, com o Sportivo Luqueño, com gosto de derrota. Mesmo com o resultado, o time brasileiro assume a primeira colocação do Grupo 7, o mais embolado da competição - a diferença entre o líder e o último colocado é de dois pontos.

O tricolor paulista entrou em campo com a "formação da Libertadores", com Éder na lateral-direita e Éder Luís no meia (os dois não estão inscritos no Paulista). Com isso, os dois jogadores realizavam as jogadas pela direita, enquanto Richarlyson e Jorge Wagner (se revezando) e Borges criavam pela esquerda. Zé Luís ficou praticamente como um terceiro zagueiro e Adriano isolado no ataque.

A formação deu resultado e o time de Muricy Ramalho dominou todo o primeiro tempo, com Jorge Wagner distribuindo as jogadas e arriscando vários chutes de fora da área. Em desses chutes, aos 7min, a bola bateu em um zagueiro paraguaio e sobrou para Borges, que não teve calma e finalizou em chute do goleiro.

Aos 29min, um lance polêmico. Borges pega bola no meio-campo e arranca até a grande área adversária, quando é tocado por um zagueiro. Entretanto, o árbitro argentino Sergio Pezzotta, que realizou um grande trabalho esta noite, nada marcou.

O Sportivo Luqueño marcava mal, não conseguia criar e deixava espaços para o contra-ataque são-paulino. Aos 10min do segundo tempo, Muricy tirou Borges para colocar Aloísio. A alteração logo deu resultado. Quatro minutos depois, Éder fez belo cruzamento e o centroavante cabeceou com perfeição. Golaço.

A partir do gol, o São Paulo fez o de praxe: recuou e ficou administrando a vitória parcial. O time paraguaio se abriu completamente e, com isso, o time paulista teve no minímo três chances de matar o jogo em contra-ataques, mas preferiu gastar o tempo.

No último lance do jogo, aos 48min, o castigo. Após um bate e rebate no lado direito da área brasileira, a bola sobrou para Duarte, que acertou um arremate preciso e empatou a partida. Os times voltam a se enfrentar dia 2 de abril, no Morumbi.

Notas dos jogadores

São Paulo
Rogério Ceni - 6,0. Seguro durante toda a partida, mais uma vez ajudou o time na saíde de bola e ainda fez uma bela defesa em um chute de Charles. Não teve culpa no gol paraguaio.
Éder - 6,0. Uma esperança para a lateral-direita do São Paulo. Um pouco tímido no primeiro tempo, fez ótimo cruzamento no gol e apareceu bem no ataque na segunda etapa.
André Dias - 5,0 Fez uma partida regular. É técnico, porém lento e pecou muito na saída de bola nesta noite.
Miranda - 6,0. Realizava grande partida quando foi atingido na cabeça em uma disputa de bola. Foi substituído aos 41min por Juninho (4,5), que ainda não está a vontade no time são-paulino e comete erros infantis por insegurança.
Richarlyson - 4,5. Não consegue repetir as boas atuações que o levaram à Seleção Brasileira. Protagonizou um lance bizarro, digno de amadorismo, quando ficou reclamando com o árbitro de costas para a bola, que estava em jogo e muito próxima a ele.
Zé Luís - 5,0. Seguro no primeiro tempo, quando foi praticamente impecável na marcação. Entretanto, medonho na saída de bola, devia se limitar a entregar a bola para os volantes ou laterais.
Hernanes - 5,5. Não é aquele jogador que desequilibrou no Brasileiro, mas realizou partida segura e ainda puxou alguns contra-ataques.
Jorge Wagner - 7,0. O melhor em campo, é o verdadeiro maestro do time paulista. Está prendendo menos a bola, faz lançamentos primorosos e ainda ajuda na marcação e não tem medo de chutar a gol.
Éder Luís - 6,0. É impressionante a dedicação do ex-atleticano. Não realizou grande partida, mas, mesmo jogando fora da posição de origem, não parou de correr um segundo. Foi substituído aos 40min do segundo pelo Carlos Alberto (sem nota).
Borges - 5,0. Não jogou muito bem nesta noite, mas conseguiu deixar o Adriano na cara do gol e cavar um pênalti não marcado. Aloísio (6,0) entrou bem no jogo, fez belo gol e conseguiu sofrer algumas faltas perigosas.
Adriano - 5,0. Outra partida apagada. Deixou de marcar um gol no primeiro tempo por não saber chutar com a perna direita e prendeu a bola em outros momentos.

Sportivo Luqueño

O time paraguaio é fraco tecnicamente e apresenta falhas na defesa. Tentou agredir a equipe brasileira, mas parou na falta de criatividade e ainda deixou espaços para o contra-golpe. Destaque para o brasileiro Charles (6,5), que deu bastante trabalho para a defesa são-paulina.


Imagem: EFE

Ps.1 do autor: Fiquei algumas semanas sem postar porque meu computador deu um grave problema neste período. Mesmo assim, devo diminuir os textos nas próximas semanas porque vou trabalhar das 8h as 18h e estudar das 19h as 23h, mas farei o máximo para cobrir os jogos paulistas.

Ps.2: Todo jogo que este blogueiro assistir na íntegra, as notas dos jogadores (pelo menos do time grande ou nacional) estarão presentes.


Thiago Ricci