segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Luxa celebra liderança e revive passado vitorioso no comando do Palmeiras

Coluna Luciano Dias - Memória e calculadora esportiva

A liderança do Palmeiras no Campeonato Brasileiro reflete um crescimento da equipe na hora certa. No segundo turno, o Verdão tem a terceira melhor campanha (5v, 1e, 2d). O suficiente para assegurar a primeira colocação, pois alguns rivais, como Grêmio e Cruzeiro, não mantiveram os mesmos níveis da primeira metade do torneio. Para tal progressão, o planejamento (termo adotado por Luxemburgo em sua cartilha) fez a diferença mais uma vez.

O Verdão perdeu peças importantes no campeonato, como o armador Valdívia e o zagueiro Henrique. Mas, o time fez a reposição rapidamente. Talvez não na mesma qualidade, mas em uma quantidade que o credencia como o favorito ao título.

O primeiro lugar na competição faz com que a torcida do Verdão, carente de títulos de expressão nos últimos anos, reviva um passado glorioso. O último Brasileiro (Série-A) conquistado pelo Palmeiras foi em 1994, e, coincidentemente, Luxa era o comandante daquele belo time. Na verdade, foi um bi-campeonato, já que o comandante havia levado o Porco ao título do Nacional no ano anterior.

A equipe de 1994 encarou o arquirrival Corinthians na final. Na primeira partida, um triunfo por 3 a 1, e no jogo da volta um empate em 1 a 1 assegurou o título palmeirense. Em 31 jogos, o Porco venceu 20 partidas, empatou seis e perdeu apenas cinco duelos. Foram 58 gols marcados (melhor ataque) e 30 sofridos.

Em 93, a final foi contra o surpreendente Vitória, que revelou Dida para o futebol brasileiro. Confirmando os prognósticos, o Palmeiras venceu os dois duelos (1 a 0 em Salvador e 2 a 0 em São Paulo) e conquistou o caneco, após quase 20 anos de jejum. A equipe disputou 22 jogos, sendo 16 triunfos, quatro empates e apenas duas derrotas. O time marcou 40 tentos (melhor ataque) e sofreu somente 17.

Os times de 1993/94 tinham a mesma base. Mesclavam jogadores de seleção brasileira, como Antônio Carlos, César Sampaio, Zinho, Edmundo e Evair, com atletas que surgiram com grandes potenciais, casos de Roberto Carlos, Flávio Conceição e Amaral.

Alex Mineiro, Kléber, Diego Souza e Leandro são os jogadores da vez. Tudo bem que o elenco atual não tem a mesma categoria da equipe de 94, mas tem no banco o mesmo trunfo: Luxa - o 'papa Brasileirão'.

Em busca do hexa

Luxemburgo busca em 2008 o seu sexto título no Brasileirão. Além de conquistar o Nacional em duas ocasiões com o Palmeiras, o comandante foi campeão com o Corinthians, em 1998, com o Cruzeiro, em 2003, e com o Santos, em 2004.

2 comentários:

Anderson Siqueira disse...

Já que o Luxa não volta pro Cruzeiro enquanto os Perrela ainda estiverem por aqui, vamos tirar a família Perrela do poder e ganhar mais títulos brasileiros.

Anônimo disse...

Perrelas são fodas.. preferem o Adilson Batista!!! o Oswaldo de Oliveira, entre outros