terça-feira, 4 de novembro de 2008

Entalado na garganta

Coluna Pedro Rotterdan - Pole Position

Fantástica. Essa é a palavra que define o GP do Brasil, disputado neste domingo. Outros termos também podem ressaltar os sentimentos dos brasileiros em momentos da prova: ansiedade, tensão, felicidade, esperança e tristeza. A ansiedade veio antes da corrida, quando a largada foi adiada por dez minutos. Tensão por causa dos momentos que o brasileiro Felipe Massa era ameaçado por Vettel, enquanto Lewis Hamilton não ameaçava e muito menos era ameaçado. Felicidade por ver Massa liderar a corrida de ponta a ponta e vencê-la no final. A esperança durou apenas 38s10mm, tempo que o brasileiro teve o título na mão até Hamilton ultrapassar Timo Glock na última curva. E tristeza... Bom, essa palavra nem é preciso explicar. Talvez tenha a ver com o grito de “é campeão” que ficou na garganta. Esse grito que ficou um ano entalado nas gargantas dos ingleses e durante um ano ficará também nas nossas.

Uma corrida para ficar na história. Em tantos anos de F-1, jamais um título foi decidido assim: com muita emoção e na última curva. Talvez, se Timo Glock tivesse entrado nos boxes para trocar o pneu, nem teríamos essa emoção no final da prova. Uma temporada para ficar na memória, já que Hamilton se tornou o piloto mais jovem a faturar a Fórmula 1.

Após essa acirrada disputa entre Hamilton e Massa, a próxima temporada tem tudo para ser quente na disputa pelo título. E se o próximo ano for como esse, com o embate entre Massa e Hamilton, poderemos ver mais uma vez um piloto brasileiro na briga pelo título dando início a uma nova rivalidade, como nos incríveis duelos entre Senna e Prost. É válido destacar também a força do espanhol Fernando Alonso, que no final da temporada conseguiu junto a Renault acertar o carro, e promete um bom desempenho em 2009.

Novidades e despedidas

Novidades são aguardadas para o próximo ano. David Coulthard se despediu da F1 após rodar antes da primeira curva no GP do Brasil. O escocês já correu pela Williams, McLaren e STR. Nas temporadas de 98 e 99 foi fundamental para os dois títulos de seu companheiro Mika Hakkinen.

Já Rubens Barrichello segue com o futuro incerto. A Honda não confirmou sua permanência e a STR, outra interessada, sofre problemas financeiros. A verdade é que ele agora depende dos testes de outros dois brasileiros: Bruno Senna, sobrinho de Ayrton Senna, que é pretendido pela Honda e STR; e Lucas di Grassi, piloto de testes da Renault, que fará teste na Honda.

Valeu Massa

Ao Felipe Massa fica o agradecimento por fazer o povo brasileiro se apaixonar mais uma vez pela Fórmula 1, depois da morte do Senna e de injustiças que a Ferrari fez com Barrichello. Então queridos leitores, vamos torcer para que o grito que ficou entalado em nossas gargantas (e doeu mais do que um pênalti perdido), saia na próxima temporada e o jejum de 17 anos sem um título brasileiro na F-1 acabe.

2 comentários:

Bruno Miranda disse...

Inacreditável!

Saulo disse...

Concordo plenamente. Essa final de Fórmula 1 foi emocionante, eletrizante e o que aconteceu com o Massa foi uma coisa inacreditável, impressionante, mas tenho a certeza que o Massa vai seguir firme e forte para a próxima temporada. Considero ele um campeão.