quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Selecionados tipo exportação

Luciano Dias


Muitos garotos sonham em ser um jogador de futebol, atuar na seleção brasileira e disputar uma Copa do Mundo. Alguns se tornam grandes atletas, mas não conseguem jogar com a camisa amarelinha. A concorrência por aqui é muito grande. Resultado: muitos estão optando em defender as cores de outros países.

O último a fazer este caminho foi o atacante Liedson, ex Coritiba, Flamengo e Corinthians. O jogador foi convocado pela seleção portuguesa e agora segue os passos de outros dois brasucas: Deco e Pepe.

A convocação do atleta reacende a discussão. É correto um jogador defender um outro país? Nesta quinta-feira, o atacante dinamarquês Jon Dahl Tomasson, ex-Milan e hoje no Feyenoord, ironizou a naturalização do atacante Liedson. “Eles estão necessitados de um verdadeiro atacante e então foram ao Brasil comprar um” disparou.

Em novembro de 2007, o presidente da FIFA Joseph Blatter, declarou sua preocupação com a invasão de jogadres brasileiros em seleções de outros países. “Se não tomarmos cuidado com a invasão do Brasil sobre Europa, Ásia e África, na Copa do Mundo de 2014 ou de 2018, teremos 16 dos 32 times repletos de jogadores brasileiros. Este perigo é real”, disse Blatter.

Para se naturalizar por outros países, a FIFA exige que uma pessoa fique dois anos em seu território para ganhar a cidadania. Foi o caso do atacante do Arsenal (ING) Eduardo da Silva, que defende a Croácia. Além disso, o atleta não pode ter atuado em jogos oficiais pelo seu país. Por sorte, há dois anos não perdemos o lateral-direito Daniel Alves. O jogador foi proibído de defender a Espanha pois já havia atuado pela seleção de base do Brasil.

Esta regra não vale para o atacante Araújo. Ele chegou a jogar pela seleção brasileira apenas em amistosos, assim pode defender as cores do Catar. Outro caso atípico é a do centroavante Marcelo Moreno, que atuou na seleção sub-20 do Brasil. No entanto, o jogador pode jogar pela Bolívia porque tem dupla nacionalidade. Moreno é filho de pai brasileiro e mãe boliviana.

Atualmente, 14 brasileiros defendem as cores de outros países. Lideram o ranking Alemanha e Portugal, com três atletas cada. Outros cinco jogadores atuaram por outras seleções, mas já se aposentaram.

Confira a lista completa:

André Neles - Guiné Equatorial
• Araújo - Catar
• Cacau - Alemanha
• Deco - Portugal
• Eduardo da Silva - Croácia
• Kevin Kurányi - Alemanha
• Liedson - Portugal
• Marcos Senna - Espanha
• Marco Aurélio (Mehmet Aurélio) - Turquia
• Pepe - Portugal
• Roger Guerreiro - Polônia
• Santos - Tunísia
• Tulio Tanaka - Japão
• Zinha - México

Aposentados:
• Alex Santos - Japão
• Guimarães - Costa Rica
• Oliveira - Bélgica
• Paulo Rink - Alemanha
• Anfilogino Guarisi - Itália

Algum jogador desta lista poderia ter oportunidades na seleção brasileira?

5 comentários:

Anônimo disse...

hamilton (sport) foi convocado pela selecao do togo

Pedro Rotterdan disse...

Acho que Deco, Pepe poderiam ter chances como reservas. Não concordo com o jogador que muda de nacionalidade. Mas a vontade de realizar disputando uma Copa é maior. Mas o cara que defende Togo e Guiné Equatorial é só por grana mesmo porque Copa e foda.

Bruno Miranda disse...

Finalmente voltou a escrever. Por isso, tá chovendo..rsrs. Não acho correto a naturalização nos moldes que está sendo feita. E destes jogadores citados, atualmente aproveitaria Marcos Senna para a vaga do Gilberto Silva. Gostaria de ver o Deco e Liedson também com a amarelinha.

Vinicius Grissi disse...

Uma palhaçada, salvo raríssimas exceções. Daqui a pouco, vai virar futsal e o Brasil, vai jogar contra o Brasil.

Anônimo disse...

Если врач знает название вашей болезни, это еще не значит, что он знает что это такое. Никогда не приписывай человеческой зловредности того, что можно объяснить обыкновенной глупостью. Человек может долго жить на деньги которые он ждет. Реальность это иллюзия вызываемая отсутствием алкоголя. Женщины едят за разговорами, мужчины едят заедой.